O que está por trás da fusão entre Pão de Açúcar e Carrefour? (Via Finanças Inteligentes)

O estardalhaço criado na mídia focando a briga entre os sócios controladores do Pão de Açúcar e Carrefour está camuflando uma operação do governo para influenciar/intervir diretamente o setor de supermercados no Brasil. Lamentavelmente o governo está articulando nos bastidores mais uma intervenção direta na economia do país. Após a bilionária jogada feita no ano passado para aumentar sua participação na Petrobras por meio do BNDES utilizando dinheiro público, o governo agora quer interferir e influenciar as grandes redes de supermercados no Brasil através do BNDES utilizando novamente o dinheiro público.
Anúncios

O que está por trás da fusão entre Pão de Açúcar e Carrefour? (Via Finanças Inteligentes)

O estardalhaço criado na mídia focando a briga entre os sócios controladores do Pão de Açúcar e Carrefour está camuflando uma operação do governo para influenciar/intervir diretamente o setor de supermercados no Brasil. Lamentavelmente o governo está articulando nos bastidores mais uma intervenção direta na economia do país. Após a bilionária jogada feita no ano passado para aumentar sua participação na Petrobras por meio do BNDES utilizando dinheiro público, o governo agora quer interferir e influenciar as grandes redes de supermercados no Brasil através do BNDES utilizando novamente o dinheiro público.

Teoria da Conspiração: morte de Osama Bin Laden

Osama morreu? Creio que sim, embora uma foto montada tenha sido divulgada, com o advento da internet tudo pode ser publicado e espalhado facilmente. Osama fazia isso usando o YouTube.

Se ele não estivesse morto, poderia divulgar um vídeo simplesmente para abalar a credibilidade americana já bastante dilacerada pela economia.

Leia mais deste post

IPVA de carros fica 7% mais barato em São Paulo (Via FSP)

A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo informou nesta quinta-feira que o IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) ficará em média 7,2% mais barato no ano que vem. O imposto é calculado sobre o valor venal do veículo, que pode ser consultado na tabela divulgada hoje, feita pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).

A tabela vai ser publicada amanhã no Diário Oficial do Estado.

Leia mais deste post

Financiar carro novo é mais barato que usado

Bookmark and Share

O carro zero-quilômetro tem preço maior, mas taxa de juros mais baixas. Já o usado tem preço de venda mais barato e tarifas mais altas. A dúvida é a mais comum entre as pessoas que planejam financiar um veículo.

Entram na conta gastos como IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), DPVAT (seguro obrigatório), documentação e TAC (Taxa de Abertura de Crédito), que também variam de acordo com o carro e o plano de financiamento.

Na simulação feita pela FGV (Fundação Getúlio Vargas), a pedido da Folha, o valor mais alto do carro novo anula o benefício da taxa baixa.

“A redução da diferença entre a taxa de juros para usados e novos aproximou os planos de financiamento. No fim das contas, é melhor comprar um novo”, afirma Eduardo Alves, professor de economia da FGV.

A taxa média para carros novos é de 1,40% ao mês, segundo a Anef (Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras). Para usados, vai a 1,71%.

O carro seminovo da simulação tem R$ 1.000 a menos de custos adicionais considerando uma compra deste mês -com IPVA e DPVAT pagos pelo antigo proprietário.

A transferência de documentação do carro seminovo tem valor semelhante ao do emplacamento do carro zero-quilômetro -a mais, só o valor da primeira placa.

Em ambos os casos, uma alternativa seria pagar parte do valor do carro à vista.

“A entrada tem a vantagem de diminuir o montante a ser financiado, aliviando o peso dos juros e o valor das parcelas. Quanto maior a entrada, melhor”, diz Alves.

Cuidado para não ser seduzido pelas parcelas. Considere o valor total a ser pago com os juros. Pode ser mais vantajoso esperar e dar uma entrada maior.

Keyler Rocha, professor de economia da FEA-USP (Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo), afirma que o valor da parcela mais baixo é decisivo para clientes que optam por planos longos.

“Mesmo com o total a prazo mais elevado, o consumidor é atraído porque não tem a quantia para o pagamento à vista”, avalia Rocha.

O ideal é que o valor da parcela do financiamento não comprometa mais do que 30% do orçamento familiar.

Fonte: Folha de São Paulo

%d blogueiros gostam disto: