YouTube e Facebook serão temas de filmes (Via FSP)

 

1. Ridley Scott produz filme com vídeos de usuários do YouTube

O cronômetro em um link no YouTube (www.youtube.com/user/lifeinaday) marca os segundos que faltam para o prazo final de gravação dos vídeos que farão parte do filme “A Vida em um Dia”, um documentário experimental com produção de Ridley Scott e direção de Kevin MacDonald.

Os interessados em participar têm até hoje para produzir um vídeo, mas as filmagens podem ser incluídas no canal do “Life In a Day” até 31 de julho, segundo o site.

Qualquer pessoa pode criar um ou mais filmes com vídeos que documentem “um momento” da vida e postá-los no YouTube.

Para isso, os interessados têm as 24 horas de hoje para documentar trechos da vida “mundanos ou fascinantes, sérios ou alegres”, e o canal está aberto para recebê-los, informou o YouTube.

Para enviá-los basta acessar o link, incluir o vídeo e depois responder às perguntas de MacDonald, como “O que você mais gosta?”, “Do que você tem medo?”, “O que te faz rir?”, “O que tem nos seus bolsos?” e “Tem uma história por trás desses objetos?”.

“A Vida em um Dia” é o primeiro filme na história do cinema a ser criado com vídeos de autores que podem ser profissionais ou amadores e que ao serem escolhidos “aparecerão nos créditos do documentário como co-diretores”, informou o YouTube na nota de imprensa.

Além disso, 20 participantes cujos vídeos forem selecionados receberão como prêmio uma viagem a Park City, no estado americano de Utah, para assistir à estreia do filme no Festival de Cinema de Sundance de 2011.

2. Livro sobre a criação do Facebook vira filme “A Rede Social”

Um nerd quase socialmente inapto de Harvard se torna dono de um império nas redes sociais. No caminho para o estrelato, cria inimigos e dizem engendra traições. As aventuras do dono do Facebook, Mark Zuckerberg, 26 anos e bilhões de dólares, tinham mesmo de virar filme.

Trata-se de “A Rede Social”, que chega ao Brasil em dezembro e traz o slogan “você não chega a 500 milhões de amigos sem fazer alguns inimigos”. O filme é baseado no livro “Accidental Billionaires” (Bilionários Acidentais, em tradução livre), de Ben Mezrich, lançado nos Estados Unidos em 2009.

Mezrich teve como uma de suas principais fontes o brasileiro Eduardo Saverin, que se diz traído pelo hoje magnata. Os dois foram colegas em Harvard e, juntos, fundaram o Facebook. Saverin entrou com o dinheiro e o tino com os negócios; Mark, com o seu conhecimento de computadores.

O Facebook cresceu assustadoramente –o site deve anunciar nesta semana que chegou ao meio bilhão de usuários. Mas surgiram desavenças. Zuckerberg foi colocando Saverin para fora da jogada, segundo o livro. A briga foi parar na justiça.

O brasileiro não foi o único inimigo feito por Zuckerberg. Antes de lançar o Facebook, ele havia sido contratado por dois irmãos de Harvard, os gêmeos Winklevoss, para colocar em prática uma ideia de rede social, que colocaria a vida social de Harvard on-line.

Zuckerberg não apenas não fez o trabalho, como lançou o Facebook, algo extremamente parecido com a ideia dos gêmeos, segundo eles. Os Winklevoss apelaram para a Justiça, e Mark chegou a ser condenado a lhes pagar US$ 65 milhões.

Apesar disso, o dono do Facebook não leva jeito para vilão –pelo menos, no livro em que se baseia o filme. Ele é retratado como um excêntrico, desajeitado, sem tato social e que quer ser aceito. Não por acaso, a música que embala o trailer de “A Rede Social” é “Creep”, do Radiohead. “Eu queria era ser especial”, diz a letra.

O livro de Mezrich não foi bem aceito pelo Facebook. Ao contrário de “O Efeito Facebook”, de David Kirkpatrick, que chega a comparar Zuckerberg a Che Guevara.

No Brasil, menos de 2% da população usa a rede, mas o crescimento parece estar acelerado, segundo o Inside Facebook. Talvez por isso o site ainda seja difícil para alguns.

FILME

O pôster e o trailer de “A Rede Social” podem ser vistos no site oficial do filme. Mais informações sobre os atores que participam estão no site IMDB.

Fonte: Folha de São Paulo

Anúncios

Sobre Albert Takahashi
Brazilian-Japanese, gratuated in advertising, home-broker, traveler, experiencialist, blogger, tweeter guy, youtuber, digital influencer, living/studying French in Montréal currently, analysing the human behaviour and its interaction with the social media.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: