Financiar carro novo é mais barato que usado

Bookmark and Share

O carro zero-quilômetro tem preço maior, mas taxa de juros mais baixas. Já o usado tem preço de venda mais barato e tarifas mais altas. A dúvida é a mais comum entre as pessoas que planejam financiar um veículo.

Entram na conta gastos como IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), DPVAT (seguro obrigatório), documentação e TAC (Taxa de Abertura de Crédito), que também variam de acordo com o carro e o plano de financiamento.

Na simulação feita pela FGV (Fundação Getúlio Vargas), a pedido da Folha, o valor mais alto do carro novo anula o benefício da taxa baixa.

“A redução da diferença entre a taxa de juros para usados e novos aproximou os planos de financiamento. No fim das contas, é melhor comprar um novo”, afirma Eduardo Alves, professor de economia da FGV.

A taxa média para carros novos é de 1,40% ao mês, segundo a Anef (Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras). Para usados, vai a 1,71%.

O carro seminovo da simulação tem R$ 1.000 a menos de custos adicionais considerando uma compra deste mês -com IPVA e DPVAT pagos pelo antigo proprietário.

A transferência de documentação do carro seminovo tem valor semelhante ao do emplacamento do carro zero-quilômetro -a mais, só o valor da primeira placa.

Em ambos os casos, uma alternativa seria pagar parte do valor do carro à vista.

“A entrada tem a vantagem de diminuir o montante a ser financiado, aliviando o peso dos juros e o valor das parcelas. Quanto maior a entrada, melhor”, diz Alves.

Cuidado para não ser seduzido pelas parcelas. Considere o valor total a ser pago com os juros. Pode ser mais vantajoso esperar e dar uma entrada maior.

Keyler Rocha, professor de economia da FEA-USP (Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo), afirma que o valor da parcela mais baixo é decisivo para clientes que optam por planos longos.

“Mesmo com o total a prazo mais elevado, o consumidor é atraído porque não tem a quantia para o pagamento à vista”, avalia Rocha.

O ideal é que o valor da parcela do financiamento não comprometa mais do que 30% do orçamento familiar.

Fonte: Folha de São Paulo

Anúncios

Sobre Albert Takahashi
Brazilian-Japanese, gratuated in advertising, home-broker, traveler, experiencialist, blogger, tweeter guy, youtuber, digital influencer, living/studying French in Montréal currently, analysing the human behaviour and its interaction with the social media.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: