Gosto por videogames pode levar à graduação (Zero Hora)

No curso de Jogos Digitais, aluno pode trabalhar com programação e animação em 2D e 3DVocê gosta de jogar videogame e se interessa por tudo o que é relacionado ao assunto? Pois saiba que pode fazer graduação na área e viver disso. Existem em torno de 20 cursos no país. Em geral, eles ensinam todas as etapas de desenvolvimento de um jogo, com ênfase em programação e/ou em design.

O aluno pode trabalhar, por exemplo, com roteiro, programação e animação em 2D e 3D.

– É um curso em que se aprende um pouco de outras áreas, como disciplinas de design, e se aprofunda em jogos – afirma Fábio Lubacheski, coordenador do curso de tecnologia em Jogos Digitais do Senac/SP.

Segundo ele, a demanda por jogos para celulares e para consoles (como Playstation, XBox e Wii) aquece o mercado.

O curso do Senac paulista dura dois anos e meio. Lígia Mie Jeon, 26 anos, está no terceiro semestre.

– Já trabalhei com design gráfico, ilustração e animação. Entrei mais pelo fato de gostar de animação e para aprender a programar. Posso mesclar duas áreas que dificilmente se juntariam em outro curso.

Estudo de 2008 da Abragames (que reúne desenvolvedores de jogos) mostra que 24% dos cursos na área de games são de graduação. Há ainda cursos livres, técnicos, online, de extensão e de pós-graduação. Entre os cursos de graduação em São Paulo, estão os de PUC, FMU, Cruzeiro do Sul e Anhembi Morumbi. No Rio Grande do Sul, o curso tecnológico em Jogos Digitais é oferecido por Unisinos, Feevale e Univates.

Com duração de quatro anos, o curso da Anhembi Morumbi já existe há oito anos. Segundo o coordenador Delmar Galisi, a proposta é dar um repertório amplo aos alunos.

– Eles têm aulas de mitologia e antropologia, por exemplo.

Quem entra na área adora jogar e é jovem.

– Em geral, são rapazes que gostam de tecnologia, sempre jogaram videogame e vislumbram a possibilidade de unir o útil ao agradável.

É o caso de Nicholas Souza, 25 anos, formado na Anhembi em 2007.

Videogame sempre fez parte da minha vida – disse ele, game designer na Ubisoft, uma das gigantes mundiais do setor.

Nicholas conta que a carreira exige mais do que gostar de jogos.

– Entender o jogo é completamente diferente de jogar. Jogar é simples. Criar requer um outro olhar, mais profundo.

Ele determina, por exemplo, quais ações o personagem vai fazer, se tem inimigo, as regras e qual é o público-alvo. Recentemente, assinou seu primeiro jogo pela Ubisoft, o Imagine Detectives, para Nintendo DS.

– É muito bom ver o jogo e saber que você que fez – diz Nicholas.

O ambiente de trabalho é mais descontraído do que o de carreiras convencionais, diz André Penha, 30 anos, gerente-geral da Tectoy Digital, que vai trabalhar de calça jeans e tênis.

– Mas não quer dizer que trabalhamos pouco. O ritmo é puxado.

Formado em Engenharia da Computação, Penha diz ser reticente quanto à graduação em jogos.

– Costumo dizer que, se for escolher um curso, tente optar por um mais generalista e depois produzir jogos. Especializar-se demais pode ser um risco – afirma.

Fonte: Zero Hora 31-03-2010

Anúncios

Sobre Albert Takahashi
Brazilian-Japanese, gratuated in advertising, home-broker, traveler, experiencialist, blogger, tweeter guy, youtuber, digital influencer, living/studying French in Montréal currently, analysing the human behaviour and its interaction with the social media.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: