Análise-Explicação: filme A Caixa – The Box

1. Português

2. En Français – Analyse du film: «La boîte» (Descends la page pour lire)

3. In English – Analysis of the movie: “The Box” (roll down to read)

____________________________________________________________________________________________

Trailer Filme A Caixa Legendado Portugues

Ao saber que o filme era do mesmo diretor de Donnie Darko, criei uma expectativa bem positiva, embora um amigo já estivesse dizendo há meses que o filme era uma merda. Conclusão final: o filme é bom… Sensacional?? Nem ferrando. É um filme bem denso, faltam alguns links em algumas partes, mas prende sua atenção do início ao fim, devido a quantidade de mistérios e as boas atuações de James Marsden e Cameron Diaz, protagonistas.

Obs: Se você planeja assistir o filme e não gosta de spoiler, não leia o resto!

Acho que Richard Kelly (diretor e roteiro) quis dar uma lição moral às pessoas. Na parte final, o personagem de Frank Langella olha para a tela como se estivesse dizendo ‘cuidado com as escolhas que você faz’ e ‘tudo tem consequências’. Sobretudo, pareceu uma crítica ao sistema e ao modo de vida atual, pois a trama se desenvolve em cima de um dilema moral. Você aceitaria apertar um gatilho (botão) e matar um desconhecido em troca de US$ 1 milhão – tax free??

Resumo:

‘A caixa’ é apenas um símbolo – no filme é dito que o ser humano é cercado de caixas, desde a TV até o caixão (última caixa). A tal caixa é entregue a todo o momento para casais diferentes pela mesma pessoa e sempre com a mesma proposta.

No começo, ‘a caixa’ é entregue ao casal Cameron Diaz (esposa) e James Marsden. Após refletirem, ela aperta o botão e então uma neura começa a tomar conta do casal que decide investigar o ‘mensageiro’ para evitar outras mortes. Aos poucos, eles percebem que a vida deles não será mais normal porque as ‘conseqüências’ parecem segui-los. Depois de muitas situações sobrenaturais como a ‘escolha’ de uma porta para a não-danação eterna, o rapto do filho do nada e a supressão de dois sentidos do mesmo (audição e visão – não me pergunte como), o casal se vê em outro dilema muito mais difícil por estar ligado diretamente à vida deles: ‘o marido deve matar a mulher para que o filho volte ao normal ou o casal pode continuar vivendo com o filho surdo e cego. O casal decide que o filho deve voltar ao normal e ao atirar na esposa, outro botão é apertado por outro casal em algum lugar.

Alguns pontos me intrigaram:

O ‘mensageiro’ diz que tudo é um teste para ver se a raça humana merece sobreviver. O problema é que, pressupões, que o teste é de livre-arbítrio, no entanto, o contexto todo parece ser manipulado desde o início.
O ‘mensageiro’ tem muitos empregados na CIA, FBI, NASA, etc. Em nenhum momento foi explicado como são atraídos para o ‘trabalho’, parece que quem apertou o botão é automaticamente um empregado por obrigação. Os empregados passam por alguma forma de portão e começam a ter a personalidade afetada e um efeito colateral: o sangramento do nariz.

Antes de decidir apertar o botão, Cameron recebe a notícia de que não poderá lecionar no próximo semestre – ela é professora. O nariz do reitor sangra.

Em uma das aulas, um dos alunos pergunta para a professora (Diaz) – enquanto discutem Sartre – se ela tem vergonha de mostrar o motivo pelo qual ela manca – humilhação. Ela mostra que não tem 4 dedos. Mais tarde, percebe-se que esse mesmo aluno está envolvido de alguma forma, sempre pressionando o casal psicologicamente.

Enquanto isso na NASA – onde o marido trabalha – outra situação ocorre. Marsden espera uma promoção certa por ter sobressaído os outros em diversos testes, inclusive a equipe espera o mesmo. Ele recebe uma carta e diz que foi recusado devido a falha no exame mental.

Se a situação não fosse manipulada, pelo perfil do casal, é muito provável que eles não teriam apertar o botão.

Outra dúvida – parte final, escolha dos portões:

No momento de escolher entre os 3 portões, Marsden (marido) pergunta para uma mulher, que parece ser uma vigia sobrenatural, o que há atrás portões. A resposta: danação eterna atrás de dois deles, vou chamar de portão 1 e 3. Ele tem que escolher obrigatoriamente um, nesse caso, não há opção obviamente, afinal, quem escolheria a danação eterna?

O final:

A parte mais intrigante é quando outro casal aperta o botão no momento em que Marsden mata a esposa para que o filho seja normal.

O que isso quer dizer? Que o casal que apertou o botão foram os verdadeiros responsáveis pela morte de Cameron? Se o casal tivesse escolhido não apertar o botão, os dois (Cameron de Marsden) teriam escolhido viver com o garoto cego e surdo?

Ou foi o oposto, o fato de Cameron e Marsden terem escolhido salvar o filho, fez com que a mulher do outro casal escolhesse apertar o botão.

Faltaram links e o filme é denso.

Em todo o caso, achei um filme bom. Nota 6,0.

____________________________________________________________________________________________

2. Analyse du film: «La boîte»

Quand j’ai su que le film a été mené pour le même réalisateur de Donnie Darko, j’ai élevé mes attentes sur lui. Conclusion: un bon film, pourtant, ce n’est pas sensational. C’est très dense et il y a des connections manquants dans certaines parties, mais retient t’attention du début à la fin grâce aux mystères et les bonnes performances de James Marsden et Cameron Diaz, protagonistes.

Note: Si tu n’aime pas les «spoilers», ne lis pas le reste!

Je pense que Richard Kelly (réalisateur et scénario) a voulu donner une leçon de morale au monde. À la fin, le personnage de Frank Langella regarde l’écran comme pour dire «être prudent avec le choix que vous faites» et «tout ce qui tu fais a des conséquences». Surtout, il semblait une critique du système et le mode de vie d’aujourd’hui, parce que le film se déroule sur un dilemme moral. Accepteriez-vous pousser une gâchette (bouton) et de tuer quelque personne en échange de 1 million de dollars?

Résumé:

La boîte est juste un symbole – les êtres humains sont entourées par des boîtes, dès la télévision jusqu’à la dernière boîte (la mort). La tel boîte est donnée toujours pour quelque couple par la même personne, celle fait la même proposition (pousser un bouton pour gagner 1 million de dollars).

Au début, «la boîte» est remise au couple Cameron Diaz (la femme) et James Marsden (mari). Après avoir réfléchi, elle appuie sur le bouton. Alors, une bête noire commence à tenir compte du couple qui décide d’enquêter sur le «messager» pour prévenir d’autres décès. Peu à peu, ils se rendent compte que leur vie ne sera pas normal parce que les nombreuses situations surnaturelles paraissent leurs suivre. Par exemple, le «choix» d’une porte pour éviter la damnation éternelle, le kidnappé de leurs fils et la suppression des ses deux sens (l’ouïe et la vision). Après celles situations bizarres, le couple se trouve dans un dilemme plus difficile lié directement à leur vie, son mari dois tuer sa femme pour que son fils revienne à la normale ou, le couple peut continuer à vivre avec leurs fils sourd et aveugle. Le couple décide que l’enfant doit retourner à la normale et le mari attire à ta femme, en même temps, à quelque part, un autre couple presse le bouton d’autre boîte.

Quelques points m’ont intrigué:

Le «messager», dit que tout est un test pour voir si la race humaine mérite de survivre. Au début semple être un test de volonté libre, cependant, l’ensemble du contexte paraît manipulé.

Le même «messager» a aussi de nombreux employés dans de la CIA, du FBI, de la NASA, etc. En aucun moment, il y a été expliqué comment ils sont attirés pour le travail. Il semble que ceux qui appuyé sur le bouton sont automatiquement employés par obligation. Les employés passent par une certaine forme de porte qui commencent à changer leurs personnalités, au déla un effet secondaire s’arrive: saignements de nez.

Avant de décider d’appuyer sur le bouton, Cameron a reçu les nouvelles qu’elle ne pourra pas continuer à enseigner le semestre prochain dans l’école – en lui parlant des nouvelles, le nez du director commence à saigner.

Dans une de ses classes, un étudiant demande à l’enseignant (Cameron) si elle a honte de montrer pourquoi elle boite – humiliation. Elle le montre qu’elle a 4 doigts en un de ses pieds.. Plus tard, on se rend compte que ce même élève est impliqué dans la histoire à une certaine manière, toujours en poussant le couple psychologiquement.

Tandis ça, à la NASA – où travaille son mari – une autre situation se produit. Marsden s’attend à une promotion pour avoir excellé dans de nombreux tests, en revanche, il reçoit une lettre en disant qu’il a été refusé en raison d’échec de l’examen mental.

Si la situation n’était pas manipulé comme ça, c’est probable qu’ils ne auraient pas appuyer sur le bouton.

Le choix des portes:

En choisissant parmi les trois portes, Marsden demande à une femme qui semble un gardien surnaturel ce qu’il y a derrière les portes. La réponse est: la damnation éternelle derrière deux parmi eux et qu’il dois choisir au moins une porte, mais elle lui a dit quelle porte est la bonne. Il n’existe aucune option, après tout, qui choisirait la damnation éternelle?

La fin:

La partie la plus intéressante est lorsq’un autre couple choisit d’appuyer le bouton en même temps que Marsden attire à toi épouse pour sauver leurs fils.

Qu’est-ce que cela signifie? ESt-ce que le couple qui a poussé le bouton était vraiment responsable pour la mort de la épouse de Marsden? Si le couple avait choisi de ne pas appuyer le bouton, est-ce qui signifierait que Cameron et Marsden auraient choisi de vivre avec le garçon aveugle et sourd? Ou est-ce qui serait l’opposé, le fait que Cameron et Marsden aient choisi de sauver son fils, a fait, par conséquence, la femme d’autre couple pousser le bouton?

Enfin, les liens sont manquants et le film est dense.

Note: 6,0.

____________________________________________________________________________________________

3. Analysis of the movie: “The Box”

When I knew the film was from the director of Donnie Darko, I created a very positive expectation, although a friend had said that the movie was shit. Final conclusion: the movie is good … Sensational? Not close to that. It is a very dense film, there are some missing links in some parts, but holds your attention from start to finish, because the all the mystery and the good performances by James Marsden and Cameron Diaz, protagonists.

Note: If you plan to watch the movie and do not like spoilers, do not read the rest!

I think Richard Kelly (director and screenplay) wanted to give a moral lesson to the people. In the end, the character of Frank Langella stares at the screen as if was about to say something like ‘be careful with the choices you make’ and ‘everything has consequences”. Above all, it seemed a criticism of the system and the way we are conducting ours lives, as the plot develops itself over a moral dilemma. Would you accept pulling the trigger (button) and kill a stranger in exchange for $ 1 million – tax free?

Sumary:

‘The Box’ is just a symbol – the film says that we are surrounded by boxes, from TV to the coffin (last box). The box is delivered at all times for different couples by the same person and always with the same proposal.

In the beginning, ‘the box’ is delivered to the couple Cameron Diaz (wife) and James Marsden. After reflecting, she pulls the button and then a doubt about the choice starts and the couple decides to investigate the ‘messenger’ to prevent other deaths. Gradually, they realize that their lives will not be normal because the ‘consequences’ appear to follow them. After many supernatural situations as the ‘choice’ of chosing a door to the non-eternal damnation and the kidnap of their son and the losing of his senses (hearing and vision – do not ask me how), the couple finds another dilemma: the husband must to kill his wife in exchange for a normal life for their son. The couple decides that the child should return to normal and it ends up with the assassination of the wife, at the same time somewhere, another button was just pushed for another couple.

Intrigant points:

The ‘messenger’ says everything is a test to see if the human race deserves to survive. The problem is that it sembles be a test of free will, however, the whole context seems to be manipulated from the beginning.
The ‘messenger’ has too many employees at the CIA, FBI, NASA, etc. But it was not explained as they are attracted to the ‘work’, it seems that those who pressed the button is automatically employed by an obligation. Employees go through some form of gate and begin to have their personality affected with a side effect: a bleeding nose.

Before deciding to push the button, “Cameron” received the news that she can not teach next semester – she is a teacher. The nose of the director of the school bleeds.

In one of the classes, one student asks to the teacher (Diaz) – while discussing Sartre – if she is ashamed to show why she limps – humiliation. She shows her deformed foot. Later, it’s possible to realize that this same student is involved in some way, always pushing the couple psychologically.

Meanwhile at NASA – where the husband works – another situation occurs. “Marsden” expects a promotion for standed out everyone in the tests – his team expects the same. He receives a letter saying he was denied due to fail in the psichologycal exam.

If the situation were not manipulated, analysing the profile of the couple, it is very likely that they would not push the button.

Other doubt – final part, choice of the gates:

At the moment in which “Marsden” is about to choose among the three gates, he asks for a woman who appears to be a supernatural watchman, what is behind the gates. The answer is: eternal damnation behind two of them – I’ll named gate 1 and 3. He must necessarily choose one in this case, but in fact, there is no option of course, after all, who would choose eternal damnation?

The end:

The most intriguing part is when another couple press the button at the time in which Marsden kills his wife.

What does this mean? The couple who pushed the button was really responsible for the death of Cameron? If the couple had chosen not to press the button, the two (Cameron and Marsden) would have chosen to live with the boy blind and deaf?

Or was the opposite, the fact that Cameron and Marsden have chosen to save his son, made the wife of another couple chose to push the button?

There are some missing links and the film is dense.

Anyway, I thought a good movie. Mark: 6.0.ace

About these ads

Sobre Albert Takahashi
Brazilian-Japanese, gratuated in advertising, home-broker, traveler, experiencialist, blogger, tweeter guy, youtuber, digital influencer, living/studying French in Montréal currently, analysing the human behaviour and its interaction with the social media.

77 Responses to Análise-Explicação: filme A Caixa – The Box

  1. Márcia disse:

    Gostei do filme e sobre a questão do livre arbítrio acima mencionada, penso que o livre arbítrio era para o casal, as outras pessoas que foram “manipuladas” para complicar a vidas deles, através de “provações” (criando dificuldades) seria comparado à história de Jó (Onde tudo é tirado dele para testar sua fé), no filme, diante de tantas contrariedades o ser humano deixa de ser humano e pode causar a morte de seu semelhante demonstrando a fraqueza de princípios morais e éticos.
    Sobre a escolha dos portões: – Quem garante que ele fez a escolha certa?? Voltar para este plano e conviver com o fato de ter de assassinar a esposa não seria a danação??

  2. Legal a interpretação! Por esse ponto de vista, realmente, o seria um modo de dificultar ainda mais o teste.

    Mas no caso dos ‘portões’, ao escolher o portão 2, ele se livrou da danação eterna, pois um dia morrerá como todo humano. Enfim, vai saber o que o diretor quis passar realmente.

    abs

  3. erick disse:

    nao acredito que perdi 2horas e 30 minutos da minha vida.acistindo esse filme deviam processa esse diretor de merda.nao fas nem um filme bom de ves faser um filme assim que nem crepuscolo.elle fas uma merda dessa nao consigo nem lembra o nome desse filme direito e tao rruim que a minha professora passou um trabalho desse fill e me dei mal esse filme e um lixo.os cara dis que o filme e bom ++ e uns babo do site mesmo essas porra sao tudo doente

  4. Cameron disse:

    ao invés de ficar flando mal do filme, pega um livro de portugues e aprende um pouco de gramática, BABACA!!!!!!

  5. Cameron Diaz disse:

    Aff, vai pra uma escola primeiro antes de falar mal das coisas, seu idiota!!

  6. Arnaldo disse:

    Adorei o filme, quando vi pela primeira vez pensei em assistir várias vezes para entender que o diretor quiz passar para seus “fãs”. Muito bom, nota :10

  7. Laura disse:

    Pela escolha dos portões eu entendi que ele escolheu o portão errado, afinal, ele não acabou muito bem.

    Quanto ao outro casal eu entendi que se a mulher não tivesse apertado o botão a arma não funcionaria e o filho voltaria ao normal, acabaria ali o tormento dos dois. Na minha opinião só faz sentido se for assim.

    E quanto a manipulação geral pra que eles se ferrassem a ponto de apertar o botão, acho que foi o que a pessoa ali em cima escreveu, se tudo estivesse lindo, seria fácil não apertar, eles foram realmente testados.

  8. Teoria interessante da arma não funcionar caso a mulher do final optasse por não apertar o botão.

    Quanto a ter escolhido o portão errado, não sei. Ele estava condenado a partir do momento em que a esposa dele apertou o botão. No entanto, se a esposa dele apertou o botão, foi, também, pelo fato de que outra pessoa havia passado pela mesma situação anteriormente. Vendo por esse lado, acredito que ele escolheu o portão certo. Primeiro porque ele não teve escolha, pois o único portão que não levaria a danação eterna, seria o 2. Ou seja, ao escolher o 2, ele se livrou da danação eterna e escolheu o purgatório e calvário de ter que viver o resto da vida terrena com o peso de ter tirado a vida da própria esposa.

    A partir do momento que a esposa dele apertou o botão, a família foi condenada. O tal do “karma”. No entanto, no meu ponto de vista, a pessoa que se deu menos pior foi a esposa, pois foi ela quem apertou o botão, mas mesmo assim morreu sem ter viver com o peso de ter perdido alguém.

  9. Luiz Carlos disse:

    Olha…realmente achei o filme incrível! Assisti ele ontem, fiquei supe curioso e instigado em saber os resultados, entender verdadeiramente como tudo aconteceu. O filme é uma semiótica de signos e lendas, uma história, bolada com mistérios e cheia de suspense. Quero agradecer a todos acima, quem postou algum comentário, por que me ajudou a entender o filme. Fiquei preocupado por não ter entendido tudo na hora, pois a minha atriz favorita, Cameron Diaz, nunca que faria um filme ruim, e no entanto ela não fez um filme ruim, ela fez um filme excelente. Espero que tenha o 2, para poder nos explicar melhor essa linha de raciocínio do diretor. Só mais uma coisa, quem criticou em cima, acho que deveria assistir mais uma vez e ler mais esses comentários, pois pode facilitar a entender, por que a história é maravilhosa e mostra verdadeiramente, como são esdrúxulos, o bando de Homer Simpson que habita em cima dessa esfera terrestre!

  10. CleyltoN disse:

    O mais interessante é que só as mulheres apertão!!! hauehuhae

    Será consequencia da Eva ter cometido o primeiro pecado!?

  11. CamilaN disse:

    Eu gostei do filme, achei bem interessante. Pra mim é o seguinte: em filme de extra-terrestre eles sempre estã testando a humanidade pra ver se vale à pena continuar com ela. E neste filme, mais um teste é feito. Eles é claro que não passaram de primeira, ao apertar o botão, eles mostraram que queriam o dinheiro e não se importaram com o próximo, pois seria um desconhecido, prova tremenda de egoísmo. Mas acho que o teste continuou, pois da primeira vez que foram testados, não dava pra levar muita fé que a história seria verdadeira. Depois dos primeiros acontecimentos, eles já podem ter essa certeza. E eu acho que há uma segunda prova para testar o caráter da humanidade. Quando eles decidem que ela deve morrer para salvar o filho, pra mim eles fazem ponto para os terráqueos. Só mesmo o amor de pai e mãe, o mais puro que há, poderia salvar a decência de nossa raça. Pra mim a prova de que eles são perdoados e aprovados no teste é quando ela pergunta para o velhinho se haveria perdão para eles e ele diz que não sabe responder, mas que poderia haver. Sobre a porta e as outras coisas sobrenaturais, pra mim o diretor pôs isso no filme pra dar uma noção maior de verdade tanto pra quem assiste quanto para que os personagens percebam que é verdade o que eles estão passando. Esse povo vai pra Marte e sempre atraem a atenção dos ET’s para a Terra, rsrs

  12. CamilaN disse:

    Ah, tb acho que se o outro casal não apertasse o botão, a arma não funcionaria e o garoto voltaria ao normal, pois o que vale é a intensão dos pais para o teste. Só achei que faltou um pouco de explicação em algumas partes, como aquele garoto fazendo o número 2 toda hora, eu hein. Se a escolha era dele, pra quê aquele aluno dela ficava toda hora dando a deixa? Pra mim, isso reforça que era só pra ele passar em um portal mega surreal e ter certeza de que estava vivendo uma situação sobrenatural.

  13. Camila, ponto de vista interessante!

    Obrigado!

    abs

  14. Clau Brazil disse:

    Ótima análise a sua, Takahashi! Acredito que o filme seja uma análise sobre o caráter do ser humano, seu egoísmo e a capacidade de vencê-lo e ser altruísta. Também é interessante quando o cara pergunta o que ela sentiu quando viu a deformidade no rosto dele, e a resposta dela, demonstrando que não havia preconceito de sua parte, pq ela sabia o q era ter uma deformação. Aí tb aparece a capacidade de se colocar no lugar do outro e ver que tem sempre alguém com um problema maior que o nosso (sem ser piegas, é claro). Acabei me lembrando do filme “Os Esquecidos”, o lance do teste do amor dos pais, nunca se esquecendo do filho. Bom filme, só não achei terror, como classificaram no Megafilme; pra mim, é uma ficção científica de bom nível.

  15. 21veroes disse:

    Vi o filme ontem e assim como a maioria, fiquei com uma porção de incógnitas na cabeça. Mas vamos la ao que eu acho: O senhor que entrega a caixa diz que é apenas um empregado e que tem superiores a eles, o que me deixou na duvida se seria algum órgão do governo maior que a CIA, que a NASA e tal ou que seriam extra-terrestres. No começo, o Marido recebe a noticia que foi reprovado em um exame para astronauta e a Esposa recebe a notícia na escola, do superior dela – que tem o nariz sangrando, sinal que esta sendo ‘manipulado’ – o que influencia na decisão do casal em apertar o botão e receber o dinheiro. Legal, se fossem extraterrestres os que responsáveis pelos testes: Não entendo como eles conseguiriam tanto dinheiro para oferecer as famílias, no entanto, eles têm o poder de destruir a raça humana, que seria a conseqüência se os testes falhassem e a raça humana fosse reprovada. Se fosse algum órgão do governo o patrão do Senhor que entrega a caixa: Explicaria o fato do dinheiro, no entanto, não faz sentido dizimar a raça humana se esses “patrões” forem também humanos normais, como nós e aqueles que morreriam na extinção. O filme parece seguir o que o filme Presságio quis passar em relação a extinção e salvação, como se esses testes fossem meio que um purgatório, para saber se as pessoas morreriam ou se poderiam se salvar, sendo selecionadas para um novo lugar, uma nova raça, etc, vale ressaltar o fato de que a NASA estava estudando Marte.
    Sobre os eventos “sobrenaturais”: em um parte do filme, o esposo diz algo do tipo que a tecnologia, quando muito, parece até mágica. Me deixou na duvida se todas aquelas coisas de água, de controle mental e tudo o mais seriam coisas sobrenaturais ou tecnologia avançada, acho que as duas possibilidades são possíveis.
    Na festa, aquele garoto junto que estava de garçom e o chofer faziam o sinal de 2 com os dedos, o que influenciou – em minha opinião – na escolha do portal, pelo Esposo. Se ele escolheu o certo, eu não sei. Acho que, os 3 portais não dariam a “danação eterna” imediatamente, mas sim, seriam “destinos”. Vale lembrar que, o Senhor da Caixa diz que o filho e o Esposo serão bem cuidados por ele ter escolhido aquilo, porem, me fez pensar que o cara que recebeu a caixa antes dele e matou a esposa acabou também sendo morto no acidente de carro, ou seja, que cuidado ele teve ao fazer assim como o protagonista a escolha de dar um tiro na esposa?
    Sobre o final do filme em que outra mulher aperta o botão: Aquilo não quer dizer que ela tenha sido a responsável pela morte da Esposa principal, pq em uma parte do filme, mostra a cena em que se vê outras caixas iguais aquela, ou seja, não estavam sendo testadas um casal por vez. Tanto que, em um encontro do casal com o Senhor, ele diz: “podemos ir logo? Tive um dia cheio”.
    Enfim, o filme no meu modo de ver não foi bom, confesso, me deixou cheio de duvidas e mais me fez especular do que ter uma certeza sobre algo…

    Se eu lembrar de mais algo, venho aqui novamente.
    Abraço.

  16. Confesso que não lembrava dessa parte no filme!

    Obrigado pela análise!!

    abs

  17. sérgio alves disse:

    Sobre o fato daquele último casal se não tivessem apertado o botão a arma não funcionaria eu até entenderia, mas por outro lado eles tinham uma escolha, O senhor meia face até deixou bem claro..
    Bom, sobre o que eu acho, pessoalmente é que há uma espécie de uma realidade paralela, algo em torno de viagens no tempo… O que me intrigou a levar essa conclusão foi no momento em que o filho olha eles todos molhados na parte em que o cara cai em cima da mulher até..
    Nisso eu vi o menino dizer pra eles que tinham chegados a noite sem dizerem nada, apenas simplesmente foram para a cama sem dizer uma palavra, outro fato é do nariz sangrar que é devido a longas viagens em altas velocidades..
    Achei ótimo o filme e recomendo !!!

  18. Obrigado pelo ponto de vista!!

    abs

  19. Anônimo disse:

    esse filme é uma bosta! :/

  20. Pingback: Ideando stats in 2010 « Ideando

  21. camila disse:

    Eu esperava mais! Só posso definir esse filme em uma palavra: ruim!
    A moral que ele passa pode ate ser boa, mas eita filmizinho sem nexo. As cenas nao se encaixam direito, mts coisas ficam no ar, cenas que parecem ser mais de enfeite e para encher linguiça (cenas do tipo que fala, fala e nao diz nada, sabe?). Sem contar que tudo ficou sem explicação. Afinal que espécie de criatura era aquele cara da caixa? Qual a finalidade dele, afinal? Testar a raça humana? que merda, eim!

    Para mim, o autor do filme simplesmente viajou numa idéia, que a principio seria boa, mas acabou escrevendo um lixo sem nexo.

    Dica: melhor nao perder seu tempo assistindo a ele.

  22. flavio duarte disse:

    Gostei do filme. Ele é apenas uma metáfora, onde a busca da felicidade não tem nada com o dinheiro fácil e que pra toda ação há uma cadeia de reação e destruição. Observem que apesar dos problemas a família era feliz, depois que apertaram o botão, tudo mudou, inclusive nem tiverama oportunidade de gastar o dnheiro, e por fim algumas decisões destroem e complica a vida de toda a família.

  23. flor disse:

    Entãããão, alguem ai em cima falou , falou , falou e ficou igual ao filme sem explicar nada tanto o filme quanto o comentario dessa pessoa é uma merda (pior do q o filme foi eu e minha irmã lendo os comentarios )

  24. gael disse:

    vamos por partes que tem muita coisa a ser falada……………..

    primeiro, ao menino que não sabe escrever e gosta de crepúsculo: cresça!!

    aos demais que acharam o filme sem nexo: é o estilo desse diretor; coloca a pulga atrás da orelha.
    eu, pessoalmente, gosto muito mais de filmes assim do que dos enlatados, que vem digeridos para que você não precise pensar……… e não, nunca vai haver continuação.

    nesse ponto o diretor — richard kelly — me lembra muito outro dos grandes: david lynch.

    vamos ao filme: concordo com a teoria da arma falhar caso o botão não fosse apertado no fim; assim como acredito que, como foi dito, eles continuam sendo testados e no fim passam; afinal o teste é sobre sacrifício.

    sobre os ‘empregados’, com certeza NÃO são pessoas que apertaram o botão…… vários são idosos, outros bem jovens…… porém a moça que fala com a esposa no mercado diz (sobre os testados): casais bem casados com menos de 40 anos e um filho.

    sobre a ‘dominação’ dos empregados e os sangramentos, me perdi pq fui obrigado a ver dublado…… mas tem algo a ver com o lóbulo frontal, que controla nosso comportamento.

    sobre sobrenatural x et’s acho que o projeto marte e a nasa deixam bem claro isso: são marcianos.

    quando a sonda pousa em marte e transmite a imagem, eles tomam o funcionário da nasa por meio de um raio, que queima sua face e o mata. Posteriormente ele ressucita já sob domínio dos marcianos; para fazer os tais testes.

    de resto, acho que o filme não deixou pontas soltas, exceto pelo portal…… e na minha opinião o portal pouco importa. Assim como a privação dos sentidos e coisas do tipo são ‘poderes’ da tecnologia superior dos ets.

    o filme me deixou grudado do começo ao fim e teve um bom final: nota 9, com louvor.

  25. Flávio disse:

    Achei um filme bom/ótimo, dentre alguns recentes que vi, os quais colocam as coisas na sua cara e nem proporciona a você conversar um pouquinho depois do filme

    Eu já havia comentado com o meu namorado sobre a possibilidade do tiro falhar. O et mor fala que se as pessoas não apertassem o botão, passariam no teste e provavelmente a mulher não morreria. Como eles já tiveram o poder de decidir sobre a vida de uma pessoa e decidiram (na verdade, ela decidiu) matá-la agora cabe a outra pessoa decidir sobre eles. Na verdade, para mim, a idéia principal do filme é: Quem é você para decidir se alguém tem que morrer, apenas para você satisfazer o seu prazer??

    Com relação ao portal, acho que, independente de qual ele escolhesse, seria a mesma coisa.Todos incutiriam nele aquela sensação de vida (maravilhosa) pós morte, para reconfortá-lo e induzi-lo quando atirasse na esposa. Afinal, não foi ele que apertou o botão. Se alguém tem que ser penalizado, tem que ser ela.

    Nenhum casal seria tão egoísta para usufruir do dinheiro e deixar o filho cego/surdo (esta condição impressionou-me demais, pois se acaba o contato com o mundo, só resta o olfato como possibilidade de contato distante).

    Enfim o filme é bom, recomendo.

    Eu não credito em Deus, mas que poderia ser feita uma analogia como o et mor sendo o diavolo, podia….

  26. ótimos argumentos!

    abs

  27. Gostei do ponto de vista, só não concordo com a parte de que qualquer portal levaria ao mesmo lugar. Eles foram manipulados desde o começo, a escolha do portal não era uma opção, na minha opinião, a partir do momento em que o casal decide apertar o botão, já está condenado.

  28. Tiago disse:

    O filme acabou, os créditos subiram e eu ali, pensando, tentando entender algumas coisas. Isso pra mim, já valeu o tempo e o valor da locação do filme.
    Li a todos os comentários, algumas viaaaagens e alguns pontos interessantes.
    Minhas dúvidas: No final, final mesmo, o “esposo” é solto das algemas e ele entra num carro como o do mensageiro(da nasa) e o cara diz a ele: Me garantiram que vão cuidar dele(filho)direitinho. Então o esposo parte com o carro e a câmera mostra o cara se virando pra olhar o garoto na janela.
    Dúvida 1: alguém notou que esse cara está com o nariz sangrando também?? Eu pausei e vi que sim!!
    Dúvida 2: isso acrescenta algo?? rs
    Dúvida 3: alguém sabe quem é o adulto que está ao lado do garoto na janela?? Eu pausei e não consegui ver!!
    Dúvida 4: isso acrescenta algo?? rs²
    abraço galera!

  29. Matheus Ortiz disse:

    Sinceramente, li todos os comentários na expectativa que alguém pudesse ter sacado algo que talvez eu tenha deixado passar em relação ao filme. Mas não, tudo o que eu vi e interpretei foi citado aqui, nada a acrescentar. Particularmente concordo na maioria dos aspectos citados pelo gael, porém achei o filme ruim e vago.
    A grande maioria dos comentários aqui expressos questiona e comenta o objetivo e moral do filme, mas poucas pessoas citam o contexto, pois este que é falho. Faltam explicações e conexões.
    O filme tinha um enredo para ser muito bom, mas peca no roteiro e direção. Gosto de filmes alternativos e que estimulam raciocínio e a criatividade, porém não acho que esse tenha acrescentado algo.

  30. Leonardo disse:

    É triste ver o nível dos comentários. Se os extraterrestres lessem, provavelmente exterminariam a raça humana, nem precisariam fazer os experimentos com caixas. Ora, o que acontece no filme é um confronto entre inteligências coletivas: uma alienígena, outra terrena. É como se os humanos fossem animados por uma única alma, por isto as decisões da parte decisiva do filme estão interligadas. A nossa individualidade é uma ilusão. Por isto o homem com rosto deformado é onisciente, o que um dos seus asseclas vê, ele também consegue enxergar. Quem não entendeu, leia Jung (inconsciente coletivo), Lévi Strauss, Platão e Arthur Clarke, que foi citado no próprio filme.

  31. Clésia disse:

    Não entendi por que o nariz do pessoal sangra???

  32. Taís disse:

    Clésia, no próprio filme diz que os empregados são manipulados, mas que isto tem um limite, e dá-se a entender, que quando chegam neste limite, o nariz sangra.

    Também concordo com Gael em vários pontos. De cara já assimilei o fato de quem sempre estar apertando o botão seja uma mulher com o fato de Eva também ter caído em tentação, e que o fato do marido não se impor com a impulsividade feminina, faz com que ele também sofra com as conseqüências.

    e o fato do “et mor” ter sido atingido por um raio, lembra um filme estrelado por Nicolas Cage (a qual não me lembro do nome taalvez “fim dos dias”) em que os et’s chegam a Terra por raios. Podemos interpretar tb, ainda na Biblia, quando Caim matou o irmão, Deus o marcou com um raio.

    e por último, o et mor apresentou a arma e, se me recordo bem, disse que no calibre havia apenas uma bala, e que poderia matar a esposa para salvar a “perfeição” do filho.
    Assim, ela não iria obrigatoriamente morrer. Poderia ser salva se a outra mulher não apertasse o botão na sua escolha.

    se eu estivesse no lugar da protagonista, já que estava tudo ferrado mesmo, pediria para o marido não me matar e viveríamos os 3 juntos. Chega de Mortes!!! Mas como a protagonista já tinha uma deficiência e sofria com ela, talvez por isso escolheu morrer, para que o filho não sofresse tanto com a escolha errônea da mãe.

    Também concordo com muita coisa de quem entendeu o filme e descreveu acima. Gostei muito dele. É daqueles que só se vai entender direito quando assistir pela segunda vez..

  33. isabela disse:

    eu particularmente nao gosto de filmes de terror e suspense mas esse filme é muito bom faz a gente refletir muito sobre a ganancia uma coisa que ninguem pode ter…

  34. john disse:

    o portal da piscina leva a onde?

  35. Anônimo disse:

    hmm particularmente achei o filme muiitoo sem nexo…a mensagem central é ate interessante..mais há muitass cenas que ao meu ver foram completamente inúteis, para encher linguiça. Quanto a questão do revolver não funcionar se o casal do final não apertar o botão eu concordo..AGORAA..tem outra questão mto interessante..E se o casal do final resolver apertar o botão mais o casal principal decidir não matar a esposa e viver cm o menino cego/surdo? QUEM morre??? hahaha..um furo ne..segundo o mensageiro la..alguem concerteza tem q morrer caso o botão for apertado..e nessa situação não ha explicação do que ocorre…quanto a questão da consciencia coletiva da humanidade e tals..sei lá…pode ser uma boa explicação..mas não me convence muito n..pra mim o filme realmente ficou mei no ar…muitas passagens sem nexo, muita bobagem..apesar de ter uma mensagem central interessante..

  36. Buno disse:

    hmm particularmente achei o filme muiitoo sem nexo…a mensagem central é ate interessante..mais há muitass cenas que ao meu ver foram completamente inúteis, para encher linguiça. Quanto a questão do revolver não funcionar se o casal do final não apertar o botão eu concordo..AGORAA..tem outra questão mto interessante..E se o casal do final resolver apertar o botão mais o casal principal decidir não matar a esposa e viver cm o menino cego/surdo? QUEM morre??? hahaha..um furo ne..segundo o mensageiro la..alguem concerteza tem q morrer caso o botão for apertado..e nessa situação não ha explicação do que ocorre…quanto a questão da consciencia coletiva da humanidade e tals..sei lá…pode ser uma boa explicação..mas não me convence muito n..pra mim o filme realmente ficou mei no ar…muitas passagens sem nexo, muita bobagem..apesar de ter uma mensagem central interessante..

  37. José Haddad disse:

    Tenho uma teoria interessante sobre o filme…talvez, apesar do indiscutível poder de controle do face deformada, a responsabilidade pela morte das pessoas pode não ser pelo poder incontrolavel do botão, mas pelo sentimento de culpa do casal por sentir que foi responsavel pela morte de alguém desconhecido(e pela pressão psicologica dos empregados), quando acabaram sendo responsáveis pela própria morte..ou seja, quando disseram ao Marido: a resposta esta no espelho”, talvez queira dizer, a pessoa que você não conhece é você mesmo..as pessoas estão se auto-destruindo, e pelo fato de serem jovens e com filho único, a possibildade de cairem no desespero de apertar o botão e no final apertar o gatilho é mais provável…talvez a única coisa que não tenha um poder sobrenatural seja a caixa…o face deformada representa a consciencia do casal desesperado, e a caixa um objeto inanimado que não tem poder por sí só, mas vira um símbolo da sua danação…afinal, você não poderia saber se realemnte alguém morreu, mas vai conviver sempre com essa culpa…ao apertar o botão já foi então decidida a tal danação.
    Outra coisa é o filho trancado…o desespero pode ser tão grande…ele pode ter sido sedado, drogado e mesmo a hipioxia após ser afogado na pscina pode ter causando uma confusão, qualquer coisa que fizessem os pais acreditarem que ele estava cego e surdo e os fizesse cometer o assassinato…lembrando que eles não podiam ve-lo, os filhos sempre estavam trancafiados no banheiro em todos os casos.
    O trama pode ser mais psicológico que ficção científica ou algo sobrenatural, mesmo porque trata plenamente da natureza humana.Claro, é minha opnião…eu axo mesmo que o poder do face é totalmente sobre a fraqueza humana, trabalhando sobre suas crenças em extra-terrestres, religião(o casal no final acredita em outra vida pós morte) e na necessidade material da vida moderna.

  38. Dani disse:

    Estou assistindo ao filme agora e sinceramente tô achando um saco. Em paricular não gosto de filmes de et’s e ficção científica…. o meu marido está concentrado assistindo ao filme. Cada qual com seu gosto…

  39. saulo disse:

    acabei de assistir a esse lixo com outras 3 pessoas e fiquei envergonhado de tê-lo escolhido. entrei no forum so pra me sentir melhor e ler os coments que tambem detonam ele. alguns dizem que o filme prende sua atenção eté o fim, o que acontece realmente é que voce fica esperando por respostas e explicações que nao chegam nunca. a vontade de parar de assistir é enorme, porém, a curiosidade fala mais alto e, no fim, voce fica muito frustrado por ter perdido seu tempo com isso. apesar disso, ao final, voce ainda consegue sim juntar os cacos do enredo e tirar conclusoes sobre a mensagem principal do filme. a questão nao é entender ou nao, o problema é a forma desconexa e exageradamente fictício-apelativa de transmitir a simples mensagem moral de que se deve ter cuidado com as proprias escolhas e assumir as consequencias delas. tome cuidado se vc nao assistiu o filme ainda, veja uns 10 comments e perceba que 7 ou mais riducularizam ele, porem, como eu expliquei a pouco, a curiosidade fala mais alto…hehehehe abraços

  40. Anônimo disse:

    concordo com muitos pontos, mas algo me intriga…
    acredito que a caixa seja um forma de ciclo, onde o teste da humanidade seria quebrar esse ciclo, todos eles, pois como mostra na cena em que perguntam sobre o motivo de ser uma caixa e nao outra objeto. Apesar de no final deixar uma conotacao de destino, que as escolhas
    dos casais de apertar ou nao o botao, estejam entrelacadas com as consequencias do casais anteriores.
    acredito que o portal da piscina no motel seja o motivo do filho ficar cego e surdo, pois o cara afirma que o mesmo ocorreu com sua filha, e explica tambem a questao da agua na biblioteca pois esta que representa os portais. acho que ele morre por intervir no teste do outro casal
    nao entendo muito o fato de quando ela acorda e ele esta na agua em cima dela, pois o filho afirma sobre a chegada deles, ou seja, porque ele voltaria pra agua?
    acho que o fato de algumas coisas nao serem explicadas e preferencia do proprio diretor que deixa estes vacuos para que as pessoas reflitam sobre eles e consequentemente sobre o filme e sua moral.
    outra coisa que me intriga e quando ele da as duas opcoes no final ele tambem fala que os dois o derao esperanca. seria o arrependimento?
    acredito tambem que os funcionarios guiam os casais que estao sendo testados

  41. sami disse:

    Naum percaum seu tempo assistindo essa merda!!! eu tava louca pra assistir ele, mais foi pura perca de tempo, ele eh taum sem sentido que xegou quase na metade eu ja fui pro final, pq puta q pariu, vai ser taum sem nexo assim no inferno!!! tenho pena de quem gastou dinheiro com isso no cinema, ufah desabafei!

  42. Rose disse:

    Acredito que a essência do filme é justamente a colocação do Saulo: “… a vontade de parar de assistir é enorme, porém, a curiosidade fala mais alto…” Foi a curiosidade que fez a esposa apertar o botão. E foi num ato impulsivo. Depois veio a dúvida, mas ai não havia como voltar. Creio que o filme é muito metafórico, mas a sua essência é a moral, a ganância… a luta constante da ‘ação x reação’.

  43. Peter disse:

    O que teria acontecido caso o Rapaz que colocou o protagonista dentro de um carro, aquele que foi morto por um caminhão, quando o papai noel parou o carro deles, o que teria acontecido se ele tivesse chegado lá e salvado o filho do nosso protagonista?, eu fico me perguntando, para que colocaram este personagem no filme, foi só pra morrer?, no momento em que ele morre acaba o sentido da existência desse personagem no filme, alguém tem uma opinião sobre isso, outra coisa, vi o filme ainda a pouco no Telecine, e não prestei atenção em uma parte e ficou a dúvida, o que o nosso protagonista pegou na cena do crime da mulher que foi assassinada pelo marido, o que era aquele papel que ele pegou sobre a mesa? desde já agradeço.

  44. iury disse:

    O final:

    ”A parte mais intrigante é quando outro casal aperta o botão no momento em que Marsden mata a esposa para que o filho seja normal.”

    Bom no caso, o mensageiro diz, ” ao apertar o botão, uma pessoa, qualquer pessoa, que não seja do conhecimento da mesma morrerá, ou seja, toda a situação leva a outra, no caso, o casal foi testado, sim foi. A Mulher (Cameron) apertou o botão, sabendo que uma pessoa ia morrer, no entanto, a situação foi se desenrolando, que leva tudo a sua propria morte, pois o filho de ambos fica surdo e cego, e ambos conversam “oq vamos fazer ?” claro que os dois preferem que seu filho viva bem, sadio, enxergando e escutando, tudo uma questão de escolha, entao a mulher morre e o filho volta ao normal, ao final do filme mostra outro casal que caso apertem o botão, acontecerá a situação semelhante que no final, um dos dois morrem, e assim sucessivamente, caso um casal recuse, vai passando pra outros casais, até o casal ficar preso a uma escolha, e alguem temq morrer, e assim vai.

  45. iuury-@hotmail.com disse:

    Olhando pelo lado biblico conclui o seguinte, pelo o que entendi.

    1.Na primeira parte, aparece o homem (mensageiro) que entrega a caixa primeiramente para a mulher sozinha, isso personifica o ocorrido na historia do jardim do Éden onde a serpente lhe faz uma proposta tentadora

    2. A Caixa representa o fruto proibido, ou seja, o desejo a vaidade de consiguir algo que todo ser humano precisa no caso 1 milhão de dolares, a proposta foi bem propicia para a familia, onde estava praticamente na ruína, mas toda ação tem sua reação, toda atitude tem sua consequencia, no caso alguém morre.

    3. As pessoas que tentam avisar e começam a sofrer acidentes e fazem os atores principais a ficarem mais confusos, perdidos e perturbados, representa a luta da alma que o ser humano trava dentro de si próprio após aceitar apertar a caixa(comer o fruto).

    4. O Homem que entrega a caixa representa a personalidade do Diabo, que conforme narrado pelo filme ele já sabe que todos os humanos apertariam o botão e que aceitariam a inicialmente sua persuasão feita pelos mesmo, sendo assim seu único ofício é acelerar o processo da morte dos homens.

    5. O assasinato da esposa em prol da vida do filho, representa a materialização com que a morte torna-se um fator necessário para perpetuação e finalização de todo entítulado “desenvolvimento e crescimento” que os seres humanos podem produzir e proporcionar.

    Bom acho que é isso.

  46. Diego Vital disse:

    Gostei do filme. Pronto.

  47. Isadora disse:

    É muito…interessante o modo como as pessoas que assistiram ao filme ficam procurando explicações…
    Particularmente, não acredito que perdi tempo assistindo (2). Assisti duas vezes até. A primeira, por curiosidade. Quando eu vi a quantidade de coisas desconexas e o final cliche (todo já previam que eles estavam ferrados) nunca falei tão mal de um filme.
    Há vários pontos inexplicados. Não por ser um filme cult. Não. É um filme bobo, com mensagens bobas, que nós ensinam desde o jardim da infancia, há várias partes apenas para encher linguiça (por exemplo, o pé dela. por exemplo, o aluno a humilhando – WTF). É mal trabalhado e com apenas algumas questões. O final faz com que nós esquecemos o restante do filme. Dos erros. Da falta de nexo. O cara é atropelado e teletransportado pra NASA e no outro dia volta pra casa com a mulher DO NADA. E que lance foi esse com a NASA??? Aliens? Não fez absolutamente nenhum sentido. Aposto que nem o diretor sabia explicar. Aposto que o diretor fumou muito quando fez, e os co-roteiristas ajudaram-no na parte de criar a trama boba. Porque não faz NENHUM sentido, e olha que eu AMEI Donnie Darko. E mesmo quem amou o filme, tem que admitir, há vários erros e falta de nexo.
    E quem não viu, um aviso: NÃO ASSISTAM!

  48. Henrique disse:

    Entendi 2 coisas que foram pouco comentadas aqui:
    1) Acredito que ele tenha escolhido o portal errado. Desde o começo os ets estão manipulando eles para que eles façam as escolhas erradas, pois os ets acreditam que os seres humanos são fáceis de serem manipulados por terem pouco livre-árbitrio. Então se os ets passam o filme todo fazendo o sinal de “2″, o burro vai na onda e escolha o portal errado, ao invés de…
    2) Falam no filme pro marido que o único jeito de resolver o problema é olhando no espelho. Tem até uma cena rápida que ele dá uma olhada pro espelho. Acho que o que o ets estavam querendo dizer é que ele sairia salvo SE ele seguisse mais as suas intuições, se buscasse a solução dentro dele mesmo, ao invés de ir na onda dos outros (no caso, da escolha do nº 2)

    Acho que o filme possui 2 idéias principais:
    1) de como o ser humano é fraco, no sentido de ser facilmente manipulado, de possuir pouco livre-árbitrio;
    2) de como as pessoas dão pouca importância para o fato de que tuas ações acabaram afetando a vida das outras pessoas. COM CERTEZA se a mulher no final do filme não apertasse o botão, não aconteceria a morte. A idéia do filme é que no começo eles não se importaram com o fato de estaram matando alguém em algum lugar (mesmo que eles estavam sendo manipulados, eles deveriam ser mais fortes e terem pensado na pessoa que iria morrer) e no final dependem de um desconhecido para continuaram vivendo.

    Tenho que comentar tambem que a cena em que a Cameron Dias disse que sentiu “amor” ou algo assim ao ver o et desfigurado (ao invés de pena) foi o único momento que os ets se surprenderam com o comportamento do ser humano. De resto o casal seguiu a cartilha do que a maioria dos seres humanos seguiria.

  49. Mariana disse:

    Muito boa sua análise. O que ficou em minha mente foi: “Cuidado que as caixas que “abrem”, o preço da redenção pode ser caro demais…” A caixa representa dinheiro, poder, sucesso, egoísmo, ausência de virtude…tantas coisas…e ao pecar, Deus, representado por seus “empregados” que tudo veem, podem atribuir uma possibilidade de redenção para você nesta vida…e esta redenção pode lhe custar a morte de um filho, uma doença…como se cada sofrimento fosse um castigo ou uma possibilidade de redenção por uma caixa que apertamos o botão.

  50. Gorlitz disse:

    “Langela é o Diabo, corrompendo o homem e criando um exército de seguidores, que fazem escolhas erradas com base no egoísmo e no individualismo sem precedentes”, poderia afirmar a priori.
    Porém, a caixa é apenas a formalização da escolha que o ser humano faz pelo seu benefício em detrimento do sofrimento de seu semelhante. Seja comprometida ou não, manipulado ou não, a escolha tem base na moral de cada um, e é realizada com o livre arbítrio que todo ser humano possui, ainda que se arrependa posteriormente!
    Ou seja, fez o mal, paga! Uma visão de causa e efeito que o Budismo e o Kardecismo tem pregado, só que de uma forma estereotipada!

  51. Matheus disse:

    Denso ? não seria Tenso ! filme muito bom nota 7;5

  52. Jessie D. disse:

    Achei o filme ótimooooo!! Só achei que ficou um pouco estranho o fato do garoto humilhar a Norma,depois fazer paz e amor bláblá.. Mas achei ótimo.. Em questão ao final acho q o que ele quis dizer é que alguém em outro lugar que eles não conhecem apertou o botão e ela morreu,não acho que a arma não funcionaria,acho que foi apenas uma demonstração de como é mais ou menos. Também não entendi o porque de sempre serem as mulheres apertarem.. Mas adorei!!! Ache uma ótima forma de pensar até onde iriamos para conseguir um bem material,quer dizer estavam matando alguém que não conheciam,mas esse alguém tinha família,filhos,assim como eles =)

  53. Natachasteven disse:

    Consequently happy I came across your blog post, it’s great!

  54. Marcel disse:

    Bem eu sinceramente não gostei nem um pouco do filme por vários motivos
    As ideias e mistérios do filme vão sendo jogados ao telespectador de uma forma frenética e sem sentido,para começar o tal mensageiro,o filme não explica quem ele é exatamente tanto que vários personagens lhe fazem essa pergunta e ele simplesmente responde que não pode dizer por causa de seus empregadores,que também não ficam explicados claramente.Para complementar não fica claro o que são aqueles retângulos de água e portais de luz,as pessoas agindo feito escravos mentais,os sangramentos nas narinas…
    No fim das contas o grande defeito do filme é a falta de explicação dentro dele,pois como havia dito as ideias são lançadas e ficam lá pairando sem solução,e você fica quebrando a cabeça tentando resolve-las,porem elas não tem resposta,provavelmente o diretor foi tendo ideias e juntou-as todas em um liquidificador e transformou-as na minha opinião num dos piores filmes que já vi.
    As pessoas que gostaram do filme me desculpem mas é minha opinião.

  55. Thanks and good blog.

  56. Tiago disse:

    agora são 00:40 e estou assitindo o filme, estava lendo os comentários anteriores, e começei a pesnbar até a parte que vi agora, no meu entendimento, as escolhas desse casal retratado, é consequencia de outros casais/pessoas, porem essa parte onde vocês falaram que os et’s estão controlando, eu ainda não percebi, ou não prestei atenção, o homem na janela foi uma incognita também, eu acho que aquele homem é o homem que estava analisando a vitima que deixaria cego e surdo, porem uma coisa que ninguém comentou foi: por que a menina não avisou o menino ou seila, só olho se chocou, mas continuou conversando, ela também faria parte do grupo dos et’s? não entendi os narizes sangrando, na minha opinião o filme nos faz refltir nas consequencias de nossas escolhas, talvez as vezes as consequencias são por causa de outras pessoas que fizeram coisas erradas, os “et’s” teriam varias pessoas em todos os cargos para impedir que os que fizeram esacolhas erradas voltassem nos erros, e tembém os deixassem com uma necessidade maior de apertar o botão, eu não entendi muito bem o filme, ainda estou tentando entender algumas coisas que me deixaram incognita, mais cometários em breve.

  57. Tiago disse:

    um esmplo 2 casais: a consequencia do primeiro é “a pessoa” que morreu do segundo casal, tentem entender, mas é isso

  58. leandro disse:

    Na minha opnião tem a ver com o livre arbitrio. Que não somos totalmente livres de nossas escolhas, podemos ser influenciado sim, é o caso do que acontece com o marido rejeitado como astronauta e a esposa recebendo a noticia pelo diretor do colegio, eles ficam em uma situação ruim com a ameaça da falta de dinheiro. O marido de um jeito foi influenciado a ir no portal 2, por aquele aluno esquisito tbm . A arma com uma bala só e a opção, matar a esposa ou nao…Se tivesse 3 balas na minha opniao o marido iria matar a esposa, o filho e depois cometeria o suicidio. Todas as pessoas que receberam a caixa apertaria o botao, pq estaria em uma situação ruim é como se fosse um jogo manipulado pro resultado sempre da no casal apertando o botao. Qualquer casal apertaria sim o botão, estando em uma situação ruim ou boa, pq as pessoas estao cada vez mais gananciosa, preocupado com o proprio nariz…Pq o teste nao acontece com uma criança? Uma criança é pura, jamais iria por exemplo mata outra criança, ou pessoa por algum brinquedo ou dinheiro, por exemplo. Pra mim o filme tem muia coisa sem nexo, nao tem ligação. É aquilo, a historia é muito boa mas foi mal contada e iria precisa de uns 3 filmes e um bom roteiro para explica-lo.

  59. sara pereira disse:

    Esse filme deve ter sido baseado no livro O Mandarim de Machado de Assis. Podem dizer que estou errada,mas machado é lido en outros países.

  60. sara pereira disse:

    Aah o livro é do eça de queiroz.. Os dois eram amigos

  61. Júlia disse:

    Muuito boa a avaliação do filme, vi ele online hoje e achei um pouco confuso mas muito interessante!

  62. Matheus Pereira disse:

    Desculpa, não li todos os comentários, então talvez possa estar repetindo.

    Tecnicamente, ele tenta passar a ideia de moral de de que todos seres humanos devemos agir juntos, uma tese um tanto quanto positivista e para mim, adequada.

    A maneira que foi passada não necessariamente foi a correta, melhor dizendo, cientificamente impossível. As pessoas POSSUEM o livre arbítrio, sendo assim elas não funcionariam como marionetes, nesse ponto há uma falha, pois ninguém poderia se apoderar das pessoas.

    Outro erro é pensar que existe relação entre os dois casos (morte da mulher com o aperto final). Não há ligação nenhuma, era só para chocar e não necessariamente teria sido ao mesmo tempo.

    O filho voltar a enxergar pelo sacrifício da sua mãe também é uma ideia errônea, na minha opinião, ela viva também manteria o filho com todos os sentidos (se é que ele recuperou os sentidos, pois isso não está claro no final).

    E como último equívoco, 1 milhão de dólares não significa nada em realidade. Uma pessoa com um padrão de vida altíssimo não aceitaria e isso não o faz mais ou menos humano que uma pessoa, digamos sem instrução, como alguém que não enxerga o que esse filme quer passar.

    Por final, posso dizer que o filme é muito bom, seria excelente se não tivesse falhas (lógico, não?). Porém, a ideia de de valores, principalmente humanistas, é de grande valia para nossa sociedade que hoje ruma para um destino triste até o momento que saibamos valorizar uns aos outros.

  63. Daniel Brasil disse:

    Gostei do ponto de vista diferente e da perspectiva interessante sobre o filme nesta análise e explicação. É um filme mais complexo que Donnie Darko. Uma premissa visceral e estarrecedora que incorpora a filosofia de Jean-Paul Sartre, o gnosticismo maçônico, o esoterismo e os dilemas éticos e morais. O diretor explora os limites da subjetividade. Abaixo uma interpretação do enredo.

    CURIOSIDADE
    Há uma cena que exibe abertamente a carteira de cigarros Marlboro e reza a lenda que existem 5 símbolos maçônicos ocultos na mesma.
    O filme Agentes do Destino (The Adjustment Bureau) versa sobre partes do mesmo tema (governo oculto). É baseado no conto Adjustment Team de Philip K. Dick cujo autor Richard Kelly demonstra ter influências e utilizado diversos conceitos para seus filmes.
    SPOILERS-ENREDO
    A história se passa em 1976, onde Arthur e sua esposa Norma acabam de adquirir uma casa nova. Eles são a típica família de classe média suburbana, retratada de forma medíocre. No início, há um informativo de que Arlington Steward foi ressuscitado e liberado da unidade de queimados. Numa manhã, Arlington chega num Lincoln preto, como um “homem de preto” e misteriosamente deixa uma caixa na porta da casa do casal. Arthur dirige-se para a NASA e dedica-se a construir um pé protético para Norma e seu pé mutilado. Norma descobre que a caixa contém um botão vermelho, enquanto isso, Arthur é rejeitado como astronauta, um objetivo pessoal de longa data e o financiamento para a casa nova e as prestações do carro. Norma ensina Inglês numa escola católica privada local e estuda o ensaio “Sem Saída” de Jean-Paul Sartre. Um aluno intrometido tenta constranger Norma, pedindo que mostre a classe o pé e revele porque manca. Norma aceita e mostra. Puxando o fio do novelo filosófico de Sartre, ou seja, à medida que amadurecemos, nos escondemos atrás de “máscaras” ao mesmo tempo que somos livres e os únicos responsáveis por nossos atos. O pé defeituoso de Norma é uma imperfeição a esconder, um lembrete de que a bela aparência mascara a fachada do pé mutilado. Se Norma aceitasse o defeito, ela realmente seria livre dos estigmas que as imperfeições produzem em nossa psique. Norma comenta em sala de aula a famosa citação, “o inferno são os outros”, pois, os outros “conhecem nossos defeitos.” Observa-se que o filho do casal não acredita em Papai Noel quando o assunto vem à tona na cozinha, pois Arthur sendo um cientista, transferiu inconscientemente isto ao menino (na visão de Sartre). O cientificismo é outra máscara para Sartre ao afirmar que os cientistas se escondem atrás da máscara da racionalidade e quando surge um mistério inexplicável pela ciência, evitam uma conclusão temerária. Porém, Arthur e Norma estão prestes a descobrirem algo que nunca poderiam imaginar. Na manhã seguinte, há uma conferência de imprensa na NASA sobre o lançamento da próxima Sonda exploratória em Marte, curiosamente o porta-voz efetua declarações sobre a descoberta de “vida” e “antigas civilizações alienígenas.” No entanto, A Caixa vai dar-nos uma pista velada de como os “alienígenas” realmente são. Durante a conferência, uma repórter pergunta por que a NASA está trabalhando com a NSA e fica sem resposta. Além disso, Norma perde o subsídio para os estudos do filho, percebendo que o nariz do diretor sangra quando a informa. Mais tarde, Arlington chega oferecendo um milhão de dólares se o casal apertar o dispositivo-botão que resultará na morte de alguém que não conhecem. Eles têm 24 horas para tomar uma decisão e, não aceitando a oferta, A Caixa será levada e reprogramada. Steward deixa uma nota de cem dólares com Norma (despertando a dúvida e a tentação na consciência humana). O casal se encontra num dilema ético e moral. Na próxima seqüência, vemos a imagem de uma câmera de vigilância da NASA direcionada aos trabalhadores e um homem estranho de terno olhando pra câmera. Esta figura é uma pista que só aparece no filme um par de vezes (olhando propositalmente do fundo). Ele é outro “homem de preto” que representa o “governo oculto”, o controle da NSA e da NASA. Não se sabe sua identidade, além de que é o “patrão” de Steward e um representante ou o próprio empregador. Norma decide apertar o botão, depois de tentar persuadir Arthur ainda duvidoso sobre a forma de obtenção deste dinheiro. O casal vai assistir a peça “Sem Saída” do mesmo ensaio que Norma abordou em sala de aula. No ensaio de Sartre, três pessoas descobrem que foram escoltados ao inferno por um condutor-demônio, assim como, no filme ocorre algo parecido com o casal e o filho, onde o tormento acaba sendo um ao outro. Começamos a perceber que Arthur, Norma e o filho estão sendo escoltados até o seu “inferno pessoal”. Aprisionados em suas vidas de desejos escondidos e segredos não revelados (o filho do casal é sempre o último a “não” saber). No fim da peça novamente aparece o “homem de preto” passando ao fundo do palco e, a seguir, a câmera foca um homem idoso como se estivesse hipnotizado (agindo de forma robótica como o Papai Noel que “provoca” uma colisão entre o carro em que se encontra Arthur e um caminhão. Assim como, os “empregados” de Steward). Nota-se que ao longo do filme a televisão está sempre ligada na casa do casal, mostrando brevemente o que é relevante num nível esotérico. O casal vai a uma festa de Natal com os colegas de trabalho onde as coisas começam a ficar estranhas. Certas pessoas observam o casal com olhares de reprovação, ao mesmo tempo em que fazem a brincadeira de escolha aleatória dos presentes sob a árvore. Um garçom (que é o aluno intrometido de Norma) faz um sinal de paz (dois dedos formando um V) e Arthur pega uma caixa com uma foto borrada de Arlington como presente. Enquanto isso, a babá que está cuidando do filho do casal, percebe que os dois estão sendo observados por um estranho através da janela. Os dois vão até o porão após uma discussão de histórias em quadrinhos, e numa das capas das revistas de Arthur há um alienígena, um caixão flutuando no espaço e um crânio ultrapassando um portal (o pilar gnóstico-cabalístico e os símbolos ritualísticos de iniciação?). A babá olha uma gravura fixa na parede e pergunta do que se trata. O filho do casal afirma que é a “terceira lei” de Arthur C. Clarke e que seu pai o conhece. A frase é uma pista de um conhecimento esotérico, ou seja, “qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinguível de magia”. E Arthur irá vivenciar eventos que a ciência não explica. De volta a festa de Natal, o garçom e aluno de Norma provoca Arthur, rindo do episódio em que a humilhou devido ao pé defeituoso. Outro garçom avisa Norma que há um telefonema para ela, então esquece o que estava fazendo e seu nariz começa a sangrar. Arlington sabe que Arthur tentou rastreá-lo e adverte Norma de que eles fizeram um acordo que não pode ser quebrado. Arthur esmurra o aluno de Norma que ri e faz o sinal de paz. Os dois abandonam a festa e o cara que estaciona os veículos faz o sinal de paz, enquanto o casal dá a partida no carro. No gelo do pára-brisa do carro está escrito “Sem Saída” (o ensaio de Sartre novamente). Arthur descobre por intermédio do pai de Norma e policial que o carro de Arlington está registrado em nome da NSA. Arthur percebe que sua família está sendo constantemente vigiada. A seguir, uma cena bizarra aparece na televisão da família, ou seja, as Torres Gêmeas estão fora do lugar onde foram construídas. Não estão no terreno em Lower Manhattan e congelando a imagem se percebe pelos prédios vizinhos e pela bacia oceânica. (O que faz um galeão espanhol dos séculos passados cruzando na frente das torres?). Duas torres e dois pilares “em queda” são relevantes para a cabala e para a maçonaria (as duas portas Jaquim e Boaz). Lembrando que em 9/11 três torres caíram, e não apenas duas. No ocultismo, o pilar do meio significa equilíbrio entre os dois pilares laterais de misericórdia e gravidade, bem como, o “pilar de iniciação e integração.” É o equilíbrio entre o yin e o yang, o macho e a fêmea e etc.. . O filho pode ser o pilar do meio, neste caso, o equilíbrio entre Arthur e Norma. O pilar do meio se refere ao cubo de seis lados do espaço (com todas direções), o cubo perfeito. E um cubo perfeito é uma caixa. A destruição das torres gêmeas, intrinsecamente, sugerem uma nova ordem das idades e, grande parte das teorias de iniciação incluem a morte da essência espiritual anterior (velha) e a ressurreição da próxima (nova). Eis o que se aproxima de Arthur. Voltando ao enredo, Arthur leva a babá para casa e ela percebe que há sangue nas mãos do mesmo (sangue em suas mãos como idéia de culpa?). A babá diz para Arthur olhar para a “luz” como solução para os problemas que ele enfrenta e que a “luz” o cegará. Então o nariz da babá começa a sangrar e há uma constante alusão à sangue no filme, e sangue é vermelho. Por sua vez, Arthur está trabalhando numa missão a Marte, o “Planeta Vermelho” e, também considerado o “deus da guerra” e o capeta para quem aprecia sua companhia. Outra pista lançada no enredo. Arthur descobre que a babá usa um falso nome ao pegar sua carteira de identidade (ela deixa cair). Na cena seguinte, é revelado que Arlington está construindo uma espécie de portal nas instalações da NASA e que esta é obrigada a colaborar com a NSA. Uma notícia televisiva informa que “a águia pousou” e a missão a Marte vai revelar definitivamente que há “vida em outros planetas.” (seria um meio de desviar a atenção para o que se passa na Terra?) Então, a NSA está vinculada com a NASA e os “empregados” de Arlington sofrem uma lavagem cerebral para serem usados como “cobaias” em seu portal tecnológico “de luz.” Neste momento é revelado como Arlington morreu, ou seja, atingido por um raio 5 vezes superior a temperatura solar. Quando “ressuscitou” era uma “entidade” diferente com fins de servir a um “empregador”. Superficialmente, o enredo dá a entender que sua consciência foi dominada por uma inteligência alienígena (os empregadores de Arlington). Porém, o raio é “luz”, a “luz” de iniciação do gnosticismo maçônico que afasta a premissa de dominação extraterrena. Na seqüência, Arthur (por meio de uma fotografia de Arlington contendo o endereço da biblioteca) e Norma (por meio do aviso da jornalista que não teve sua pergunta respondida na conferência da NASA) são levados até a biblioteca pública.
    A biblioteca é uma casa de conhecimento (gnose significa conhecimento) e é lá que Arthur tem seu ritual de iniciação maçônico particular. Arthur é levado numa procissão litúrgica pelos “santos da biblioteca” (na verdade uma igreja ocultista) até uma porta em que aparece a esposa de Steward e lhe é concedido uma “bênção” litúrgica ocultista” (os braços da Sra. Steward estão, claramente posicionados como o sinal-bênção maçônico) Há uma grande pintura exposta acima da entrada da porta mostrando um santo cuja a forma é similar a posição de iniciação de um mago gnóstico. Arthur compreende agora que ciência e magia são indistinguíveis (a terceira lei de Arthur C. Clarke na gravura fixada no porão da casa deles). Ao adentrar a sala, a esposa de Arlington revela-se como Clymene (uma referência à deusa de Klymenos ou Hades?), sendo mostrado a ele três pilares de água. Ele deve escolher apenas um para obter descanso em “danação eterna”. Arthur recorda que vários “empregados” fizeram o sinal de paz, levantando dois dedos. Então, ele escolhe o “pilar do meio” (do equilíbrio e da harmonia). Ele é levado para a “luz”, descrevendo mais tarde como o “céu” e ausência de angústias interiores. No mesmo momento, Norma está sendo iniciada em outra parte da “biblioteca”, numa forma ritualística diferente e, por Arlington Steward. Ela afirma que sentiu “amor” quando viu o Sr. Steward pela primeira vez e Arlington diz para ela pegar sua mão. Percebe-se uma sutil referência ao casamento esotérico e uma conjugação holística. Norma desperta em sua cama. Há um imenso cubo flutuando sobre sua cabeça. Arthur desperta no interior do cubo que se desfaz em torrentes de água e despenca na cama ao lado de Norma. Arthur passou pelo seu batismo, dentro de uma “caixa” aquática e renasceu. Lembrando que caveiras, caixões e morte são, simbolicamente, utilizados em cerimônias de iniciação religiosa. O filme mostra através de Arthur como Steward faz a experiência e a experiência é realizada de forma maciça pelo “governo oculto” que são os empregadores do mesmo. Porém, não se trata de um “governo oculto” local. Há uma referência estarrecedora sobre o domínio do “governo oculto”, no momento em que a câmera foca uma tela enorme e vários quadrados azuis se alternam e formam um mapa do globo terrestre. Trata-se dos primeiros mapas criados pelo Google com a disposição real de domínio do “governo oculto”. Dando seguimento, um subalterno de Stewart na NSA questiona porque está sendo realizada a experiência e Arlington responde que a experiência é para decidir se a humanidade permanecerá viva ou será exterminada. A experiência envolve dinheiro com notas do Federal Reserve e o dilema ético e moral de satisfazer seus desejos pessoais, condenando outro ser humano à morte ou manter o bem maior, o altruísmo humanitário. Arlington não faz o pagamento por meio de imóveis, ações ou barras de ouro. Utiliza-se do papel-moeda que é uma das formas de controle da população pelo “governo oculto”, ou seja, através do controle da emissão de moeda (e, por isso, livre de impostos como afirma). Voltando ao filme, O subalterno pergunta o que ocorrerá quando o teste da caixa terminar, respondendo Steward que passará à próxima experiência. O próximo passo é alinhar grupos de pessoas da população mundial secretamente e enviá-los ao portal que servirá para os testes subsequentes e realiza uma espécie de lavagem cerebral coletiva (uma segunda chance antes do extermínio?). Dando a entender que a proposta com A Caixa e o disposito-botão falharam, pois Steward afirma que a maioria apertou o botão e optou por satisfazer o desejo de ganância. A iniciação de Arthur não está terminada e, tanto ele quanto seu filho são capturados pelos homens de preto. O filho é batizado numa piscina pela esposa de Arlington e seus “empregados” enquanto Arthur deixa um hangar da NASA sob intensa luminosidade. Pelas imagens anteriores, verifica-se que o hangar é o mesmo em que Steward construiu o imenso portal de pretensa lavagem cerebral (a câmera mostra raios sob o hangar antes da saída de Arthur e seu encontro com agentes da NASA e NSA). Seus sentidos são alterados, pois ele estava fora do tempo e do espaço no éter da iniciação, e emergiu na Terra (agora Arthur fora atingido por raios como Steward). Porém, sua purgação não terminou, pois deve sacrificar Norma ou seu filho para manter o planejamento dos empregadores de Steward. Há uma simulação de escolha e de livre arbítrio para Arthur, pois foi Norma que apertou o botão. Mesmo que seu desejo seja condenar o filho à cegueira e à surdez, a depuração mental e espiritual foram pré-determinadas. E a última referência a Sartre é feita por Arthur, quando afirma que a Terra é o purgatório e que Stewart está ali para levá-los ao inferno (o enredo de “Sem Saída” ). Acaba matando Norma para que o filho volte a enxergar e a ouvir. Arthur não é preso pelos policiais e os homens de preto intentam tomar conta do mesmo, pois se trata de um iniciado que sacrificou seus desejos pessoais em benefício da coletividade. Seu filho permanece sob os cuidados do “governo oculto” e, simbolicamente, o valor de um milhão de dólares será empregado nas despesas do garoto até que atinja a maioridade. Daniel Brasil – danielbrasilsm@hotmail.com

  64. O Filme tem um enredo interessante, nós faz pensar como decidir nossa vida, tanto que vocês podem perceber que em hora nenhuma o homem-de-meia-face diria que a escolha tinha volta, também não existia uma 3° escolha, no meu ponto de vista tudo já era manipulado desde o começo, acho que foi manipulado até a parte da Mulher ter perdido os dedos dos pé.

    Fiquei muito intrigado por quem seria os “patrões”, Alienígenas ou Deus e o Diabo, porquê o Marido até disse em uma parte da história: “Você me fez ter uma visão da vida após a morte, que estamos no purgatório e você está encarregado de nos fazer sofrer”, isso já entra num contexto religioso, porquê não podemos dizer que o “patrão” não séria o Diabo?

    O Diretor poderia nos explicar mais sobre o filme porquê em uma hora é cientifico outro religioso ou até technologico, temos a ideia de que os “patrões” são serés acima de nós porquê eles tem o poder de tirar nos sentidos e nos devolver eles, ao longo do filme mostra que toda a cidade está ao comando dos “patrões”, desda escola (onde o garoto humilha a esposa), até a NASA (Onde ele não passa no exame para astronauta), também mostra os relatos de mortes na delegacia por homens que assassinam as mulheres isso já indica que não começa pelo Marido e a Esposa, Não entendi o lugar onde ele ficava meio que espacial, espiritual ou techonologico, algumas coisas não fazem sentido no filme, quando falam sobre a história do homem-de-meia-face indica que ele tem poderes sobre humano, de se regenerar e coisa e “tal”, mas se ele pode se regenerar porquê a ferida na sua face? também não entendi oque a esposa quís dizer com: “Estou apaixonada por você, pelo seu defeito na face, imagino meu defeito 10x em sua face”, isso foi um anexo há ela querer ser empregada? Porquê não pensamos que pode ter sido os “patrões” que tiraram os dedos da Esposa? Desde já provando ela? Esse filme é muito confuso porém interessante.

    Acho que o Diretor quís criar esse tema de confusão para vocês deduzirem o filme, na minha opnião ele é Espiritual (Deus e o Diabo) ou Cíentifico (Alienígenas) Minha nota do Filme é : 7,5

    ~ Otimo Site

  65. Hermes Cerqueira disse:

    Adorei o filme!
    A crítica inicial feita pelo site foge totalmente da abstração e subjetividade q o filme exige na visão do telespectador.
    O filme trás várias mensagens subliminares….várias reflexões…vários pontos de vistas e pode ser discutido em diversas nuances.

  66. Juju disse:

    Moral da história
    O que vem fácil, vai fácil…

  67. Cleonice Batista Vieira disse:

    O filme nos leva a avaliar os conceitos que nos foram passados desde a infância. Nos leva a pensar se tudo que sabemos de Deus, do Cristo é verdade ou apenas uma forma de nos manipular. Será que Deus é esse Deus bonzinho que nos ensinaram desde crianças? Ou seria um deus enganador, manipulador, que vive a nos testar? E Cristo? Seria Ele o Filho de Deus ou apenas um empregado do deus enganador? São estas questões que tornam o filme interessante. Quem não tem um pensamento crítico, com certeza não entenderá o filme e o achará muito ruim.

  68. Ana disse:

    Acabei de assistir e como muito de vocês, também fiquei cheia de “dúvidas” e pensando sobre os mistérios do filme….
    Achei que o enrendo do filme é bom, a lição que ele dá. Mas, realmente, acho que ele foi mal produzido, deixando assim, muitas coisas no ar.
    Grande parte das minhas “dúvidas” e teorias, foram explicadas por alguns comentários….
    Observei também que a babá Donna, na última noite que tomou conta do filho do casal, estava sendo observada em certo momento, e pareceu muito interessada quando o menino começou a falar do emprego do pai, sobre o projeto Marte…alguém mais percebeu isso?

  69. katia disse:

    eu acabei de veer e não entendi nada :/ to boiando até agora kkkkkkkkkkkkkkkkkk

  70. claudia disse:

    O destino do marido que eu não entendi direito. Ele foi salvo da punição juridica que receberia pela mesma equipe que estava por de tras da trama da caixa ou ele seria preso e cumpriria a pena imposta?

  71. Anônimo disse:

    Filme horrível e sem sentido. Sem mais explicações.

  72. Alex disse:

    nao gostei do filme deixo mto coisa sem respostas.

  73. Christian Souza LIma disse:

    Sobre o livre arbítrio eu interpreto o seguinte: Você é livre não é mesmo? Então você pode fazer tudo o que quiser (desde que não prejudique nada e ninguém). Quando se sacrifica a liberdade de alguém (sua decisão fez outra pessoa morrer) isso gera consequências. Para uns é justiça divida, outros chamarão de Karma e outros ainda chamarão de causa e efeito mesmo que ninguém saiba que você é culpado ou conivente com o crime. Sua consciência um dia pesa e você de alguma forma paga pelo que se sente culpado.

  74. Simplesmente de lascar!!!!

  75. andre disse:

    eles erraram 2 vezes em apertar o botão e em matar, talvez o garoto tivesse sua visão e audição de novo. creio que o filme se trata absolutamente lema moral e não uma historia pois o filme não tem uma logica certa, pois não teria um lema se o diretor fizesse uma historia de gangues se matando ele apenas trocou um gatilho por um botão para mostrar que a decisão da vida e da morte esta em nossas mãos e se fosse nossa vida em jogos não trocaríamos por nenhum valor, então porque se sua vida não tem valor que valha tirar, porque a minha valeria menos e que a sua e uma vida só pode ser paga por outra.
    mas devo dizer que o filme me fez refletir infelizmente não gostei da historia porque para quem esta acostumado a ver vilões pagarem pelos seus crimes desejei que aquele cara morresse, triste historia mas boa moral.

    então pessoa por favor se um cara deformado bater na sua porta com uma caixa e oferecer 1 milhão para você apertar um botão por favor não aperte e se apertar meu nome e André então você já me conhece e se ele aparecer para mim pode crer que não irei apertar. Ok? então estamos combinados!!!!!

    e fiquem com essa que veio da biblia e licito que as aves voem mas não que façam ninhos em nossa cabeça.

    fiquem ligados o mal não pode te obrigar a fazer o mal mas pode te propor e cabe você decidir praticar ou não.

  76. felipenunes disse:

    Eu acho que são alienígenas, pois o velho disse que estava nos testando para ver se a raça humana valia a pena continuar viva, além do mais, ele adquiriu poderes paranormais

  77. Anônimo disse:

    Meu Deus! Meu Deus !!!!! Não dá pra acreditar!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 32 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: